terça-feira, 24 de novembro de 2009

Sem cor...

...para ouvir durante a leitura...



- Eu sei que não deveria agir assim, mas as vezes parece que todos os instantes estão errados e todas as palavras ao contrário. Aí termino fazendo tudo por impulso! Incontrolável de parar tudo antes de terminar...
- E por que você está dizendo isso?
- Não sei... pode ser a chuva, o vento frio, a música ou a falta que ele me faz.
- Ele ainda faz falta?
- Sim. Acho que descobri porque gosto tanto dele e isso me dá medo.
- Por que medo?
- Porque sentimentos tão grandes não foram feitos pra ser compreendidos, mas sentidos. Tenho medo que eles estejam me preparando para quando resolverem fugir de mim. Não sei se suportaria viver sem todos eles...
- Eles, os sentimentos?
- Sim.
- Penso que eles não vão fugir, não agora. Ele gosta de você também, ele não disse isso?
- Sim, ele disse. Mas as vezes a gente se perde tanto e eu acredito tanto nele que sinto medo dele me enganar e não quero que ele me engane... se isso acontecer vou parar de acreditar em tudo, eu sei!
-  Não pensava que esse gostar fosse tanto assim.
- Sim. Gosto da alegria que ele tem e do jeito doce de dizer as coisas, gosto porque ele sempre sabe o que dizer, sempre sabe o que fazer pra me deixar bem quando não estou. Gosto porque a simplicidade parece morar nele! E ele exala essa simplicidade junto com paz e ternura e amor.  Gosto porque ele me dá segurança. Gosto porque nele os sonhos parecem tão fáceis de ser realizados! Gosto porque ele sempre esteve presente nos momentos mais cruéis e também nos mais bonitos. Gosto porque ele me trazia rosas que eu colecionei. Gosto, porque depois dele minha vida ganhou planos e metas que nunca existiram antes. Gosto porque até hoje não encontrei ninguém comparável a ele, porque tenho certeza que este alguém não existe.
- Ei! Não chore!
- Me desculpe, mas não posso!
- Com todas estas coisas bonitas que ele é pra você, chorar é a última coisa que devias fazer.
- Mas não dá... sinto medo!
- Medo? De quê?
- De que ele vá embora e não volte nunca mais. De que ele fuja com os sentimentos que dei pra ele de presente. Medo de não resistir se isso acontecer. Medo de perder o que de fato não tenho, mas que meu coração guarda a sete chaves, como se fosse realmente dele. Medo porque consegui explicar os sentimentos. Talvez possa ser um sinal...
- Como sempre, não sei o que te dizer...
- Não precisa dizer nada. Um dia deve passar. Aí eu vou olhar pra trás e poder dizer com alegria que o amor me visitou um dia.
- É o fim?
- Não sei. Acho que ele ainda vai aparecer com alguma novidade pra me contar. Alguma coisa mudou, só ainda não sei o quê...
- Pelo que sei, acho que vocês foram escolhidos um pro outro. E acho até que ele também sabe, apenas tem medo de ver. Eu acredito no tempo... e até lá muito desencontro vai acontecer...
- Vou ali...
- Ali onde?
- Num canto qualquer... preciso chorar e fazer a música parar de tocar.

4 comentários:

Taw disse...

caraca... termininei de ler juntinho com a música!!! juntinho mesmo rsrs... se fizesse de propósito não conseguiria... xD

:-P

João Killer disse...

Toda vez que leio seus textos, apenas fica ecoando na minha cabeça quem é ele. Quem é esse ele, que às vezes não parece ser uma pessoa só. Única coisa que sei que seja lá quem for, sempre traz uma certa tristeza. Então fica a pergunta quem é ele ou eles?

B. disse...

"- Vou ali...
- Ali onde?
- Num canto qualquer... preciso chorar e fazer a música parar de tocar."

Lindo. E, tentando responder a pergunta do João:

Eles são todas as partes que formam o Ele Dela. Todas as qualidades e defeitos, àquelas particularidades que tornam cada pessoa única e especial para alguém, ou outrem.

ana sandim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.