quarta-feira, 14 de junho de 2017

.avoa! .

cê escreveu primeiro:
"queria poder morar no abraço teu".
meio que num susto, sempre sem saber muito o que dizer, só te respondi:
"eu também, seu moço. 
queria poder morar num abraço teu".
é que cê não sabe, mas eu te fiz um dos meus abrigos já há muito tempo. 
e foi desde então que nunca mais me senti só.

porque cê sempre se faz por perto:
na música, nas flores do ipê na esquina, na cor verde da janela dos fundos, na lembrança mais bonita do meu coração.
essa coisa de sentir frio na barriga quando cê se achega,
e borboletas no estômago quando cê tá prestes a voltar,
faz com que eu me esqueça de todas as vezes que o caminho ameaçou desencontrar.
porque cê é encontro dentro de mim. 
e isso é bonito.

acho (nesses dias que são mais de silêncio e de brisa),
que o tempo tem trabalhado arduamente pra gente ser voo, 
asa,
vento,
gosto,
liberdade,
coração.
o amor tem dessas coisas.
de pousar no coração da gente feito passarinho,
e construir ninho devagar, galho por galho, até se sentir leve e forte, 
pelo gosto de ficar....


[fica!]



Imagem: Pinterest


Nenhum comentário: