quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Pela última vez...

... aí ela foi embora.
Saiu pela porta da frente sem levar nada nas mãos.
Não é a primeira vez que ela vai embora, mas é a primeira que o coração dela sente necessidade urgente de não ficar.
Está cansada de tudo, inclusive de lutar por um amor que ainda resiste.
E esta manhã, quando acordou, percebeu que tudo estava no mesmo lugar...
O céu continuava azul, as pessoas continuavam caminhando, a comida tinha o mesmo sabor, o Sol estava lá de volta, depois de dias seguidos de chuva.
E assim ela foi caminhando... unhas roídas, respiração faltando um pouco, passos rápidos de quem acabou perdendo a hora pois só conseguiu dormir quando já estava amanhecendo.
Ela não estava feliz. Mas se sentia mais leve. 
No fundo, ela queria que ele pedisse pra ela ficar...
Mas ele não vai pedir, pois ele nem sabe que ela se foi.
E enquanto ela ia, ele chegava... voltava com todas as forças em meio a fotos, recados e novidades.
Mas pra ela não havia mais sentido. E nada que ele dissesse iria fazê-la voltar atrás.


Ela foi embora sem levar nada.
Vai voltar apenas pra pegar as malas e partir em definitivo depois de lhe entregar o último pedaço de coração que ainda tem vida dentro dela.
Ainda há espaço pra desculpar embora dessa vez não tenha surgido nenhuma mágoa.
Diga a ele que terá que ser rápido se quer que ela não vá de uma vez.
Porque hoje ela acordou sem nem se importar.
E nunca a vi assim.

2 comentários:

João Killer disse...

Medo do que essa menina pode se tornar com tantas pancadas do amor! Bom te ler.

Marcos Medeiros Raimundo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.