terça-feira, 12 de abril de 2011

Simplicidades...

Anda fazendo um calor danado mas se a gente reparar bem, vai conseguir sentir umas pontinhas de outono, principalmente nas manhãs azulzinhas e no vento fresco de entardecer despencando as folhas secas-amareladas das árvores.
Outono é dessas estações frágeis, que deixam a gente meio lá nem cá, numa sensibilidade só. Meu maior medo é que ele vá embora e eu nem sinta (e isso acontecendo mesmo, acho que medo vai facilmente se transformar em tristeza). Porque assim como tantas coisas na vida, pra mim, outono é dessas que a gente precisa fechar o olho, abrir o coração e sentir, que aí então fica tudo bem, sereno, calmo...
A vida anda uma turbulência só (e pra me tranquilizar, ou não, percebo com o passar dos dias que não só a minha anda assim)... e se pudesse, sei lá se queria que dia tivesse 36 ou até 48 horas. Acho que se já anda dificil viver com destreza essas 24 que nos são dadas com tanto amor, imagina controlar dias mais longos? Acho que eu não conseguiria, já que ultimamente, tenho lutado comigo mesma pra conseguir sorrir um pouco mais e me desprender dessas inseguranças que insistem em me acompanhar vez em quando...
Outro dia (se não foi sábado, foi um domingo desses fresquinhos e silenciosos), me deu uma vontade de sentar na beira da vida e ficar de lá olhando o mundo girar, o tempo passar, as flores crescerem, o sol se pôr e nascer e se pôr e nascer sempre num intervalo delicado de estrelas...
Porque a vida tem suas pequenas sutilezas que só nos alcançam se deixarmos de viver no meio para passar a respirar as levezas nos extremos, nas simplicidades, nos momentos de silêncio e nos instantes em que se descobre a magia de se colecionar sonhos e realizações...


4 comentários:

Liv Milla disse...

É impressionante como você transforma em poesia a simplicidade de suas palavras... Lindo, lindo!

Caroline. disse...

Cada palavra veio como tranquilizante... Estava precisando ler algo assim, que me deixasse um tanto mais leve já que há muito não sento na beirada da vida pra observar o mundo girar...
Parabéns.

Rebeca. disse...

Há algum tempo venho lendo o seu blog, mas esse texto é muito significativo. Quando o li, logo me peguei pensando nessas riquezas já tão deixadas de lado, durante as 24 horas que nos preocupamos com afazeres, tantos deles. Obrigada por me fazer refletir. Lindas palavras!

Cleice Souza disse...

lindo.

:)