sexta-feira, 28 de maio de 2010

.



"Meu maior medo é viver sozinho e não ter fé para receber um mundo diferente e não ter paz para se despedir. Meu maior medo é almoçar sozinho, jantar sozinho e me esforçar em me manter ocupado para não provocar compaixão dos garçons. Meu maior medo é ajudar as pessoas porque não sei me ajudar. Meu maior medo é desperdiçar espaço em uma cama de casal, sem acordar durante a chuva mais revolta, sem adormecer diante da chuva mais branda. Meu maior medo é a necessidade de ligar a tevê enquanto tomo banho. Meu maior medo é conversar com o rádio em engarrafamento. Meu maior medo é enfrentar um final de semana sozinho depois de ouvir os programas de meus colegas de trabalho. Meu maior medo é a segunda-feira e me calar para não parecer estranho e anti-social. Meu maior medo é escavar a noite para encontrar um par e voltar mais solteiro do que antes. Meu maior medo é não conseguir acabar uma cerveja sozinho. Meu maior medo é a indecisão ao escolher um presente para mim. Meu maior medo é a expectativa de dar certo na família, que não me deixa ao menos dar errado. Meu maior medo é escutar uma música, entender a letra e faltar uma companhia para concordar comigo. Meu maior medo é que a metade do rosto que apanho com a mão seja convencida a partir com a metade do rosto que não alcanço. Meu maior medo é escrever para não pensar."
Carpinejar

2 comentários:

Danielle Pinheiro disse...

Meu maior medo é que você fuja da vidas das pessoas sem se dar conta do quanto você é importante para elas e o quanto elas a amam.
Lindo texto querida, BJS

Anônimo disse...

Sejam as cores as referências em seus medos, elas sejam o jeito de driblar as incapacidades a que o medo nos reduz...
Belas cores as tuas, não sei bem se do verde ou do azul...
Sejam as dita as mãso que lhe ergam a tona do mergulhos insanos e desconexos do incolor.