segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Menina [4]

- Pra onde é que eu corro agora?
- Não sei. Já pensou em parar de correr?
- Já. Já pensei sim. Mas me disseram uma vez que a gente nunca pára de correr. Só diminui o ritmo. Então parei de pensar...

- É. Então você precisa correr...
- Sim, preciso. Mas não sei pra onde.
- Onde ele está?
- Ele quem?
- Ele, pra quem você sempre correu quando precisava fugir.
- Não sei. Tem tanto tempo que não o tenho mais, nem em notícias, nem em sinais.

- O que aconteceu?
- Te confesso que gostaria muito de saber... se fiz alguma coisa, se magoei sem querer ou se ele se esqueceu...
- Sinto muito.
- Não precisa... pois também sinto tanto! E de nada adiantou...
- Já pensou em esperar?
- Espero mesmo quando não quero... espero até quando resolvo não querer. Acho que ele me deve uma resposta...
- Só uma resposta?
- Não... ele me deve tanta coisa! Deve o sorriso que levou, as promessas que fez, a alegria que não deixou, os dias que passaram, as rosas que não entregou, os planos que fiz, a cura pras dores que doem tanto!
- É muita responsabilidade pra ele, não acha?
- Sim. Sei que é. Mas quando ele vem acabo nem cobrando nada. Ele me devolve tudo sem que eu precise pedir. Ele nem sabe que me deve tudo...

- Acho que você deveria contar.
- Sim. Sei que devo. Mas ele sumiu. Queria que o tempo dele fosse igual ao meu.
- Como assim?
- Queria que ele sentisse vontade de fugir também. Mas ele só corre... e não consigo correr atrás dele, não consigo alcançar.
- Já disseram que ele combina com você?
- Sim. Acho que ele foi feito pra mim. Ninguém me entende tanto... mas aí ele some de vez enquando. Isso dói. E aí? Pra onde é que eu corro agora?
- Corra logo! Pra onde ele estiver.
- Ele está longe demais pra que eu corra agora. Mas vou esperar. Que nada perco na espera. E eu sei que ele vai voltar. Ele prometeu não se esquecer...

6 comentários:

Marcos Medeiros Raimundo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
B. disse...

me vi em ti. juro.

Felicidade Clandestina. disse...

me escreves sem ao menos saber ás vezes *

lindo

corro demais e nem ao menos sei
o por que das coisas
o por que de correr assim...
(fujo de mim,acho)

amei :**

Natália Oliveira disse...

Não adianta mesmo correr, eles correm rápido demais.Tantos porques acho que é isso que nos enlouquece. Mil interrogações e nenhuma resposta. Ah menina eu sei de tudo o que você está falando nesse texto.

bjos

B. disse...

Não saber é bom, pois quando se sabe de algo, geralmente se sabe um pouco demais...saber demais dói as vezes. Sim, menina, te entendo demais.

ps-E por mais que você corra, você jamais vai conseguir fugir de você, talvez seja melhor assim. Se você conseguir, vamos estar perdendo uma excelente escritora.

Danielle disse...

Dé, lindo seu texto... nem preciso de falar o tanto que me encontro neles... cada palavrinha se encaixa tanto na minha vida rsrs.. leio, paro, penso e volto a ler, leio um monte o msm texto.. mto legal msm, adoroooo seus textos!!! Quando tô tristinha, aiiii q entro msm aqui, para entender um pouquinho o que se passa aqui dentro, vc escreve muita coisa q tb sinto, e as vezes sufoca, aii qdo venho aqui, dá uma aliviadazinha rsrsrs de conseguir entender eu msm!!! rsrs =D